JUNTOS E MISTURADOS NA ESCOLA MISTA RURAL

    Minha primeira escola foi uma escola mista rural. Mista queria dizer uma única sala de aula, uma só professora e nela juntos e misturados alunos das três séries iniciais do então ensino primário. Nessa ocasião eu tinha 8, 9 e 10 anos de idade.

     Relato na crônica aspectos de minha passagem pela escola.

    O primeiro dia de aula quando minha mãe levou-me de “trole” puxado por um burro de nome Calçado. Ele tinha as partes inferiores de suas patas brancas parecendo que usava botas.

    A caminhada por seis quilômetros, pois de “trole” só no primeiro dia. Rodar aros de ferro ou pneus eram brincadeiras que aceleravam o andar pela estrada.

   Quando não havia aros nem pneus arrastávamos galhos de árvores com muitas folhas para produzir muita poeira como faziam os poucos veículos que por ali transitavam. Eu chegava em casa com os cabelos e uniforme vermelhos, isso merecia reprimenda da mamãe e recomendação para asseio imediato.

    Conto sobre minha namoradinha secreta, caminhávamos juntos. Nem ela e ninguém mais sabiam disso.

    Lembro-me das fatias diárias de mortadela compradas na venda por um “cruzeiro” e compartilhadas com amigos, e da frustrante experiência com o primeiro gole de Coca-Cola. As melhores fatias da mortadela eu destinava para minha namoradinha secreta.

   Relato o romance de uma das professoras com um piloto de um pequeno avião denominado paulistinha ou teco-teco. Do alto atirava bilhetes para sua amada e nos os alunos nos encarregávamos de encontrá-los no terreiro em torno da escola.