DAR O PEIXE OU ENSINAR A PESCAR

Dar o peixe ou ensinar a pescar - Unknown Artist
00:00 / 00:00

          Pode parecer estranho falar em "dar o peixe ou ensinar a pescar" quando o tema é relacionamentos, mas veremos a ligação que existe.

 

CRIANÇAS E ADULTOS

 

          Em nossa vida vamos da fase infantil, passamos pela adolescência e chegamos à idade adulta. No início de nossa existência estamos dependentes dos cuidados de nossos pais e das pessoas que estão à nossa volta, mas gradativamente devemos alcançar a independência para chegarmos finalmente à interdependência.

 

AS CARÊNCIAS

 

          Quando falamos de dependência consideramos dois tipos de carência. Carências de natureza material e emocional. Suprir essas carências é fundamental para realizar convenientemente as experiências de vida.

 

A LIÇÃO DA INDEPENDÊNCIA

 

          Reconheçamos que mesmo quando atendemos às necessidades das crianças precisamos inserir gradativamente, em sua educação, procedimentos importantes para que alcancem a independência. A ausência desse cuidado pode resultar numa permanente relação de dependência na vida.

          Essa falha não está presente em relação às carências materiais. Nesse aspecto, há entendimento que as pessoas precisam se capacitar para elas mesmas alcançarem os recursos que necessitam para viver. Preparam-se profissionalmente, desenvolvem habilidades para obter renda que permita adquirir os bens materiais e serviços necessários. Entretanto, isso não é claro quanto às carências emocionais e afetivas.

 

FALHA NAS CARÊNCIAS EMOCIONAIS

 

          Raramente há preparo para sermos autossuficientes no atendimento das necessidades emocionais, ficamos ancorados na dependência.

          Muitos terminam a vida com a visão de que somos dependentes das pessoas com as quais convivemos para nos realizarmos sob o ponto de vista emocional e afetivo. Isto traz problemas sérios porque a verdade é bem outra.

 

QUANDO AMAMOS O PRÓXIMO NOS BASTAMOS EMOCIONALMENTE

 

          O suprimento de nossas carências emocionais e afetivas depende de nós e não dos outros à nossa volta. Quando considerarmos isso, teremos uma compreensão mais adequada do ensinamento para amarmos o próximo. Suprimo-nos emocionalmente quando colocamos em prática esse ensinamento. Suprir nossas necessidades emocionais é algo que deve acontecer em nosso íntimo, enquanto que a visão do dependente é esperar receber de fora o necessário.

          Ouvimos a expressão que "é dando que se recebe", até aceitamos essa afirmação, mas em nossa vida emocional acabamos não seguindo essa diretriz. A afirmação está de acordo com a "Lei da Semeadura" que diz: colhemos o que semeamos.

          Quanto às nossas necessidades emocionais, o caminho é um só, precisamos semear, ou seja, agir para termos o retorno capaz de atender às nossas necessidades.

 

MAIOR FACILIDADE PARA ELIMINAR CARÊNCIAS MATERIAIS

 

          Quando nos capacitamos emocionalmente, alcançamos melhores possibilidades para eliminar também as carências materiais. Percebemos nossas potencialidades e nos empenhamos com confiança em favor de nosso preenchimento. Assim, consagramos um propósito importante em nossa vida de ganhar independência nos dois aspectos, tanto no atendimento de nossas necessidades materiais quanto no atendimento de nossas necessidades emocionais.

 

SURGE O PROCESSO DE COBRANÇA

 

          Com ausência do entendimento correto, o preenchimento emocional recai naquilo que os outros devem oferecer. São expectativas falsas impossíveis de serem atendidas. A persistência das carências acaba por criar muitas cobranças. Exigimos dos outros o preenchimento de nossas necessidades e os relacionamentos ficam desgastantes. E por mais que os outros declarem o seu interesse, seu amor e o seu cuidado, persistem as cobranças. Criamos conflitos que dificultam ainda mais o preenchimento de nossas necessidades.

A INTERDEPENDÊNCIA

 

          Com a independência surge a possibilidade de alcançar a interdependência, que é a convivência entre pessoas sem vínculos de dependência. São vínculos de fraternidade e de amor. As pessoas reúnem-se com propósito de convivência harmoniosa na família, no círculo de amigos e no campo profissional.

          Para conquistarmos essa condição de interdependência necessitamos nos qualificar na habilidade de relacionamento. Enquanto a conquista da independência é um trabalho interior, para identificar nossas capacitações e as possibilidades de nosso preenchimento, a interdependência é trabalho exterior, realizado na convivência com as pessoas.

          Percebam que as possibilidades que precisamos para nos realizar na vida estão plenamente ao nosso alcance. Entretanto, se permanecermos na visão de carentes ou de vítimas, que estão na condição de dependência daquilo que as pessoas possam fazer ou deixar de fazer, de fato teremos grandes dificuldades porque não é este o caminho para uma vida plena.

 

"DAR O PEIXE OU ENSINAR A PESCAR"

 

          Examinemos agora o que "dar o peixe ou ensinar a pescar" tem a ver com relacionamento. Numa primeira fase, na infantil, somos inteiramente dependentes tanto de recursos materiais como dos recursos emocionais e afetivos. Portanto, esse é o momento de "dar o peixe", de oferecermos aquilo que as crianças necessitam. Mas, já no processo de educação das crianças precisa haver interesse de começar a "ensiná-las a pescar". Pescar o quê? Ganhar a capacidade de serem autossuficientes, de conseguirem adquirir a sua independência.

          Sob o ponto de vista material é incentivá-las a procurar qualificação profissional em habilidades que possam oferecer os recursos financeiros para acesso aos bens materiais que necessitam. Mas ao mesmo tempo oferecer ensinamento para perceberem que o suprimento das necessidades emocionais também é responsabilidade de cada um. . É o momento em que o ensinamento de fazer aos outros aquilo que queremos para nos mesmos ganha a sua real dimensão, sua importância.

 

COMO ENTENDER O ENSINAMENTO DE JESUS PARA AMARMOS O PRÓXIMO

 

          A impressão que fica quando consideramos o ensinamento de Jesus de amar o próximo é que isso seja exclusivamente importante para suprir as necessidades dos outros. Sem dúvida que é importante quando as pessoas são dependentes, mas em nossos relacionamentos o amor ao próximo deve ter também um sentido libertador, deve ajudar-nos alcançar a independência. .

          Notamos que o ensinamento de Jesus é para nos preenchermos, para sermos independentes na construção de nossa vida emocional e afetiva. É isso que ele diz quando afirma que devemos amar ao próximo como a nós mesmos.

       Na medida em que realizamos isso, supriremos as nossas necessidades emocionais e afetivas. Assim, não nos apresentaremos como carentes que através de cobrança aguardamos que o mundo externo venha nos preencher na vida emocional. Portanto, esse é aspecto de "ensinar a pescar".

          Evidentemente é uma adaptação dessa expressão normalmente utilizada sob o ponto de vista assistencial para atender os carentes dando-lhes o peixe e ao mesmo tempo capacitando-os para poderem alcançar os recursos de que necessitam.

 

O MESTRE EM RELACIONAMENTO

 

          O propósito de uma vida é sairmos da dependência para a independência, representa a vitória interior, descobrimos nossas potencialidades, aquilo que realmente somos: filhos de Deus criados à Sua imagem e semelhança.

          No estágio da interdependência surge a importância dos relacionamentos, exercitamos o que podemos chamar de vitória exterior. Vitória na convivência com as pessoas. Quando carentes e ainda entendendo que os outros vão nos suprir, teremos dificuldade para desenvolver a nossa habilidade de relacionamento.

          O mestre em relacionamento é aquele que consegue preencher a si mesmo, atender às suas carências emocionais e na convivência poder praticar o ensinamento maior de amar o próximo. Mas para isso foi necessário em primeiro lugar exercitar a sua capacidade de amar a si próprio.