O PRINCÍPIO DO ELEVADOR

O princípio do elevador - Unknown Artist
00:00 / 00:00

BOTÕES PARA SUBIR E DESCER 

 

            O elevador como transporte vertical pode subir e descer. Em que andar nos encontramos e o botão que for apertado fará o elevador subir ou descer. John C. Maxell, em seu livro “Vencendo com as pessoas”, utiliza o elevador como metáfora para ilustrar que nos relacionamentos as pessoas podem ser elevadas ou rebaixadas.

            O “botão” das virtudes, das capacidades e habilidades corresponde aos elogios que permitem elevarmos o nível de satisfação e autoestima das pessoas de nosso convívio.  O “botão” que fará as pessoas descerem é a crítica, a desvalorização, o destaque daquilo que não vai bem no que a pessoa faz com suas atitudes e comportamento.  

 

ELEVAR OU REBAIXAR AS PESSOAS

 

            Elevar sempre é possível, não há ninguém sem algo que possa merecer um elogio, mesmo se forem adversários. O elogio aos adversários será o primeiro passo para conquistá-los como amigos ou pelo menos neutralizar os inconvenientes.

            O elogio é uma declaração honesta de louvor a algum traço de caráter ou mérito que merece nosso apreço. Podemos perceber que ninguém é totalmente indigno de algum mérito ou destituído de alguma virtude. Essa opção por fazermos elogios e buscarmos colocar as pessoas para cima também atende nosso próprio interesse. Esse interesse pode ser entendido ao considerarmos a lei de ação e reação ou de causa e efeito também ensinada como a lei da semeadura, colhemos aquilo que semeamos.

            Quando nos dedicamos a elevar as pessoas, faremos uma semeadura cujo retorno favorecerá a nossa elevação. Contrariamente, se nos pusermos a depreciar as pessoas, a criticar, a sermos descorteses a colheita não será conveniente.  

 

ALGUÉM PODE ABANDONAR O BARCO

 

            Não se sabe quando um elogio casual pode contribuir para evitar que alguém, num momento crítico, resolva abandonar o barco que pode ser: deixar o emprego de maneira precipitada, romper com a família ou o extremo de abandonar a própria vida. Nunca se sabe quando isso pode acontecer, assim estejamos sempre preparados para elevar as pessoas e fazer com que se sintam para cima.

 

OS TIPOS DE PESSOAS QUE PODEMOS ENCONTRAR

 

            A intensidade com a qual erguemos ou depreciamos os outros pode determinar a existência de vários tipos de pessoas. Segundo John C. Maxwell existem quatro tipos.

 

 1. AGREGAM ALGUMA COISA À VIDA

 

            Gostamos das pessoas que acrescentam alguma coisa a nossa vida, especialmente dos comentários e dos elogios que façam em nosso benefício. Gente que agrega valor aos outros quase sempre o faz intencionalmente, isso não costuma acontecer por acidente.

            Se quisermos ser reconhecidos como aqueles que colocam as pessoas para cima, isto deve partir de um propósito, de um objetivo consciente. É alguma coisa que precisamos nos propor a fazer, não é algo que acontece sem que haja uma intenção deliberada.

            Em nossos relacionamentos iremos procurar sempre as oportunidades para elogiar, destacar uma virtude, realçar um comportamento que mereça apreço e admiração.

 

2. SUBTRAEM ALGUMA COISA

 

            Em Júlio César, obra de William Shakespeare, o personagem de nome Cássio diz: “Um amigo deve suportar o outro em suas fraquezas, mas Brutus faz as minhas mais graves do que são”.

            Um verdadeiro amigo é aquele que sabe suportar as nossas fraquezas. Em muitas oportunidades, no lugar de suportar as fraquezas procuramos realçá-las ainda mais, tornando-as muito mais graves do que são.

            Gente que subtrai são pessoas que não ajudam a carregar nossos fardos e ainda fazem que fiquem mais pesados. O mais triste é que geralmente agem de forma intencional.

            Elogiar e colocar as pessoas para cima é dependente de nossa intenção, o mesmo acorre para aumentar o peso do fardo das pessoas.

            Aquele que não sabe agregar valor aos outros provavelmente só sabe subtrair. Se tivermos o hábito de subtrair, precisamos observar com muito cuidado, provavelmente temos dificuldades para agregar valor.

            Isso é frequente porque a nossa cultura é muito mais voltada para reconhecer os defeitos. Há mais empenho no reconhecimento das coisas erradas do que perceber aquilo que as pessoas têm de melhor, que possa merecer apreciação favorável pelo elogio.

              É possível mudar isso com treinamento para reconhecer o que é elogiável nas pessoas e para manter o hábito de elogiar sempre e todos de nosso convívio.

            Podemos até começar por nós mesmos fazendo a pergunta: o que há em mim que merece ser reconhecido e elogiado?

            Nos relacionamentos receber é fácil, dar é muito mais complicado, é parecido com a diferença entre construir e destruir alguma coisa. Um artesão leva tempo e gasta energia para montar uma bela cadeira, porém não é preciso habilidade alguma para quebrá-la em segundos.

            Para elevar as pessoas é preciso desenvolver a habilidade necessária com treino perseverante. Colocar as pessoas para baixo, que é um processo de destruição, não requer habilidade nenhuma, não exige conhecimento e nenhum tipo de procedimento, basta um comentário capaz de realçar ou inventar defeitos.

 

3. MULTIPLICAM ALGO NA VIDA

 

            É provável que tenhamos pessoas assim em nossa vida, vivem para ajudar a crescer e possuem habilidade de estar ao lado durante toda a jornada. Vamos nos sentir gratificados quando tivermos a nossa volta pessoas desta qualidade.

            Para agregar alguma coisa basta aplicar um ou poucos recursos, mas a multiplicação acontece quando a habilidade nos relacionamentos compreende tantos recursos que capacitam a conquista de um grau que podemos denominar de “mestre em relacionamentos”. A proposta é que nos transformemos em pessoas dessa qualidade, que possamos valorizar a vida dos outros não simplesmente somando, mas de preferência multiplicando.

 

4. CRIAM DIVISÕES

 

            São pessoas rancorosas que se sentem melhores tentando fazer que as outras sejam mais fracassadas que elas. As pessoas que dividem são capazes de levar você ao fundo do poço, ou seja, podem puxá-lo para baixo o máximo possível e com maior frequência.

            São pessoas que podem fazer isso conosco, mas bom será que nós não estejamos enquadrados nessa classe.

 

CONDUZA OS OUTROS A UM NÍVEL MAIS ELEVADO

 

            Quem se dispõe a elevar a vida dos outros se compromete a encorajá-los todos os dias. Em todas as ocasiões, nos encontros que temos com as pessoas nas mais diferentes situações sempre é uma oportunidade para sermos gentis.

            Um sorriso, mais do que uma cara amarrada, pode transformar positivamente o dia de uma pessoa. Pequenas coisas, pequenas lembranças podem causar muito mais impacto do que normalmente imaginamos. Uma palavra amiga em vez de uma crítica fortalece o espírito de alguém.

            Temos o poder de fazer a vida de outra pessoa melhor ou pior dependendo do  que fizermos. Aquelas que são mais chegadas: o cônjuge, os filhos, os pais são os mais afetados por aquilo que dizemos. Use esse poder com sabedoria.  Vamos apertar o botão do elevador que venha a levá-los para os andares da vida os mais altos possíveis.

 

MELHORAR OU MUDAR AMBIENTES

 

            Quem se dispõe a elevar a vida dos outros inicia um processo de mudança num ambiente negativo que pode ser o lar, local de trabalho ou outro qualquer. Se começarmos a elogiar os pontos positivos das pessoas, começamos a promover mudanças nesses ambientes.

            Uma coisa é ser positivo num ambiente positivo ou neutro; bem diferente é ser um instrumento de mudança num ambiente negativo. Apesar disso, é o que as pessoas que se dispõem a elevar a vida dos outros fazem. Quando as condições são mais desafiadoras é quando a nossa habilidade de elevar as pessoas tem uma importância maior.

            Há momentos em que isso exige uma palavra branda, um gesto de humildade, pode requerer criatividade. Pedir um favor  pode ajudar a  estabelecer vínculos positivos com as pessoas. Quem se dispõe a elevar a vida dos outros entende que a vida não é uma grande brincadeira. Gente que se dispõe a elevar a vida dos outros não espera amanhã ou outro dia melhor para ajudar, age imediatamente.

            Todos são capazes de elevar as pessoas com as quais convivem. Não precisa ser rico ou gênio para isso, muito menos as duas coisas juntas. Só é necessário ser atencioso com os outros e começar trabalhar para que elas progridam.

 

QUAL BOTÃO SERÁ APERTADO

 

            A pergunta é: qual é o ponto do elevador que vamos apertar? Botão do elogio, da crítica, da desvalorização, da desconsideração, da cortesia.

            Faça ao outro aquilo que você quer para si mesmo.  Isso é apertar o botão que nos leva todos para cima.